Câncer de Rim

Os rins ficam localizados na região lombar, posterior ao abdômen, e acima das glândulas adrenais. São revestidos pela capsula renal (um tecido fibroso) e têm a função de filtrar nosso sangue, sendo responsáveis pelo equilíbrio de água e sais do corpo. Os néfrons, pequenas estruturas que compõem o rim, são encarregados de fazer essa “limpeza” no sangue, pois eliminam os resíduos, além de regularem a pressão arterial, liberarem hormônios, fazerem o controle hidroeletrolítico no organismo, e produzirem urina.

Quando um rim está doente, essas funções acabam sendo afetadas, e quando essa doença é um câncer, o tratamento a ser seguido dependerá do tipo e estágio do câncer.

 

Quais são os tipos de câncer de rim?

Existem vários tipos de câncer de rim, porém, o mais comum ocorre quando há anomalias nas células dos túbulos que formam os néfrons e estas começam a se proliferar de forma a invadir o órgão e, em alguns casos, provocar metástase.

 

Subtipos de Câncer de rim:

Carcinoma de Células Renais Claras: tipo mais comum, confirmado em cerca de 70% dos casos de carcinoma de células renais (CCR).

Carcinoma Cromófobo de Células Renais: responsável por cerca de 5% dos casos de CCR.

Carcinoma Papilar de Células Renais: segundo mais comum, presente em cerca de 10% dos pacientes. O tipo de câncer forma papilas, que são pequenas saliências com formato semelhante de um dedo.

 

Tipos Raros de Carcinoma de Células Renais

Subtipos muito raros, cada um constituindo menos do que 1% dos casos de câncer de células renais:

  • CCR do ducto coletor
  • CCR cístico multilocular
  • Carcinoma medular
  • Carcinoma tubular mucinoso e de células fusiformes
  • CCR associado ao neuroblastoma

Raramente, o câncer de células renais não se encaixa em alguma das classificações.

 

Outros Tipos de Cânceres Renais

Carcinoma de Células Transicionais: de cada 100 casos de câncer de rim, cerca de 50% são carcinomas de células de transição (carcinomas uroteliais). O início da doença se dá no revestimento da pelve renal, formado por células de transição que se assemelham às células que revestem a bexiga. Em muitos casos, o tabagismo e a exposição a produtos químicos cancerígenos são fatores de risco importantes. Assim como pacientes com câncer de células renais, pessoas com carcinoma de células transicionais podem apresentar sangue na urina.

Tumor de Wilms ou nefroblastomas: quase sempre ocorre em crianças, ou seja, é muito raro em adultos. Em crianças, as chances de cura, quando em estágio inicial, podem ultrapassar os 90%.

Sarcoma Renal: tipo raro, representa menos do que 1% dos casos de câncer de rim. Sua origem ocorre nos vasos sanguíneos ou no tecido conjuntivo renal.

Fonte: American Cancer Society

 

Quais são os fatores de risco para o desenvolvimento de um câncer de rim?

Diferentes tipos de câncer apresentam diferentes fatores de risco, e mesmo que esses fatores possam influenciar o desenvolvimento da doença, a maioria não causa diretamente o câncer.  Porém, o tabagismo tem sido relacionado ao câncer de rim, além de hipertensão arterial e obesidade. Pacientes que apresentam insuficiência renal crônica e que fazem uso de hemodiálise também têm risco aumentado de desenvolver o câncer. Síndromes genéticas raras constituem outro fator de risco.

Fatores mais associados ao risco de desenvolver câncer de rim:

Tabagismo: aumenta o risco de carcinoma nas células renais. Quando a pessoa parar de fumar o risco diminui, mas somente depois de muitos anos o risco se assemelha ao de uma pessoa que nunca fumou.

Obesidade: pode provocar mudanças hormonais que chegam a levar ao CCR.

Exposição a possíveis cancerígenos: exposição a substâncias como solventes, cádmio e herbicidas pode aumentar o risco de desenvolver CCR.

Hipertensão arterial: estudos sugerem que alguns tipos de medicamentos de uso de pessoas hipertensas podem elevar o risco de câncer, porém, é mais difícil apontar o medicamento ou a pressão alta como fator mais prevalente (ou ambos).

Hereditariedade: o histórico familiar de câncer de rim pode representar risco aumentado de CCR, principalmente entre irmãos.

Gênero: há mais homens fumantes que mulheres, assim como a probabilidade de homens trabalhando com produtos químicos cancerígenos que mulheres. São fatores que podem ajudar a explicar a prevalência maior no público masculino.

Doença Renal Avançada: principalmente quando há necessidade de diálise.

Outras doenças e síndromes que podem aumentar o risco de desenvolver câncer de rim.

  • Doença de Von Hippel-Lindau
  • Carcinoma Papilar Renal Hereditário
  • Carcinoma de Células Renais Leiomioma
  • Síndrome de Birt-Hogg-Dubé
  • Câncer Renal Familiar
  • Síndrome de Cowden
  • Esclerose Tuberosa
  • Oncocitoma Renal Hereditário

Fonte: American Cancer Society

 

Quais são os sintomas?

Mais frequentemente sangue na urina e dor persistente nas costas, principalmente abaixo da costela. Como o rim é um órgão localizado mais profundamente na barriga, a palpação do câncer geralmente ocorre em estágios mais avançado da doença. Os sintomas mais acentuados também não aparecem no início, contribuindo também para diagnósticos tardios, muitas vezes, já com metástases.

Associado a sangue na urina e dor lombar de um lado, atente-se também a esses sintomas:

  • Nódulo na lateral ou na parte inferior das costas
  • Febre
  • Cansaço
  • Perda de apetite e perda de peso
  • Anemia

 

Como prevenir este tipo de câncer?

Alguns tipos de câncer de rim são associados ao tabagismo e à alimentação inadequada, ou seja, situações em que a prevenção é a melhor medida. Em outros casos, quando há fatores hereditários ou alguma doença relacionada, o melhor a fazer é estar atento aos sinais do corpo e acompanhamento regular com o médico. Hipertensos também devem manter a rotina saudável, com controle frequente da pressão.

 

Como é o tratamento?

A opção pelo melhor tratamento terapêutico vem da combinação de uma série de fatores: idade, estágio e localização do câncer, condição de saúde, síndromes relacionadas, entre outros. Quando a doença está localizada apenas no rim, é possível que a cirurgia seja de retirada do órgão. Porém, caso já esteja em metástase, as chances de cura ficam reduzidas e o tratamento passa a ser com medicações capazes de frear o avanço do câncer.