Câncer de Pulmão

É um dos tumores mais comuns no mundo, principalmente nos homens. Por ano, são diagnosticados 1,3 milhão de novos casos, e em 90% deles, existe relação com o tabagismo, o principal fator de risco.

Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado ao resto do organismo pela corrente sanguínea. Na medida em que o organismo utiliza o oxigênio, cria-se gás carbônico, que é levado pela corrente sanguínea para os pulmões, de onde é expelido.

 

O que é câncer de pulmão?

Como todos os outros tecidos e órgãos, o pulmão é composto por células que normalmente se dividem e se reproduzem de forma ordenada e controlada. Quando ocorre uma disfunção celular, alterando esse processo de divisão, passam a se multiplicar de forma desordenada e perdem a capacidade de morrer, resultando numa lesão tumoral, ou seja, em um câncer de pulmão.

 

Existem dois tipos de câncer de pulmão, que são tratados de formas diferentes. Um deles, denominado carcinoma de não-pequenas células,representa, em média, 75% dos tumores e corresponde a um grupo composto de três tipos histológicos. São eles: carcinoma epidermoide, adenocarcinoma e carcinoma de grandes células. O outro grupo, chamado de carcinoma de pequenas células (oatcell), ocorre em 25% dos casos. É normalmente um câncer de crescimento rápido e pode se disseminar rapidamente para outros órgãos.

 

Incidência

Com exceção do câncer de pele, o de pulmão é o mais frequente em todo o mundo, com 1,3 milhão de novos casos diagnosticados a cada ano. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente, estima-se o risco de 19 casos novos a cada 100 mil homens e 10 a cada 100 mil mulheres.

 

Fatores de risco

O tabagismo é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão, sendo responsável por nove entre dez ocorrências. Comparados com os não-fumantes, os tabagistas possuem 20 a 30 vezes mais chances de desenvolver câncer de pulmão.

 

Alguns outros fatores podem aumentar o risco de desenvolver a doença, como a exposição ao asbesto, infecções pulmonares de repetição, poluição, deficiência ou excesso de vitamina A, assim como fatores genéticos e histórico familiar.

 

Sintomas

Os principais sintomas do câncer de pulmão são a tosse constante, escarros com sangue, perda rápida de peso e apetite, e dispneia (falta de ar). Em alguns casos, a dor torácica também pode ser o sintoma inicial.

 

O que significa estadiamento?

O estadiamento é a forma de descrever o câncer, informando se está localizado e também se houve disseminação para outros locais. Além disso, indica se outros órgãos do corpo foram afetados.

 

O estadiamento do câncer de pulmão não pequenas células e o de pequenas células é diferente. O primeiro é descrito por um número, do estágio um ao quatro. O segundo, por sua vez, é classificado em doença limitada ou doença extensa.

 

Tratamento

O câncer de pulmão é sempre tratável, não importa o tamanho, a localização, nem se o tumor se disseminou. Suas opções de tratamento dependem do tamanho e da localização do tumor, se o câncer se disseminou e do estado geral de saúde da pessoa. Existem três formas básicas de tratamento: cirurgia, quimioterapia e radioterapia, que podem ser aplicadas de maneira isolada ou conjunta.

 

O objetivo da cirurgia é a remoção completa do tumor do pulmão, com a ressecção do tecido normal que o envolve (chamado de margem) e dos linfonodos regionais. O câncer de pulmão não-pequenas células é tratado com uma combinação de cirurgia e quimioterapia e/ou radioterapia.

 

O câncer de pulmão de pequenas células é, frequentemente, tratado com quimioterapia e/ou radioterapia. Os efeitos colaterais do tratamento podem ser prevenidos ou controlados com a ajuda de seu oncologista e de sua equipe médica.

 

 


 

Leia mais:

Atividade física no tratamento do Câncer

O que acontece com o corpo durante o tratamento contra o câncer?

Leforte Rosa: Programa do Hospital Leforte incentiva combate e prevenção do câncer de mama